Os que me seguem

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Vida boa


Tenho uma vida muito boa e acredito que muita gente queria ter a minha vida.
Tenho 4 filhos, 4 jóias do mais alto padrão. Três já estão formadas, são três meninas. Todas gerem suas vidas, não precisam mais de mim e do pai para nada material, só o suporte emocional. São meninas meigas, amigas, excelente filhas, cumpridoras dos deveres, trabalhadoras, ou seja, são meninas abençoadas por Deus. Por último tem meu filho, que já está trabalhando na área dele, um menino bom, carinhoso, bom irmão, companheiro, amigo. Tudo de bom esse meu filho. Lutei junto com ele para que fizesse também uma boa faculdade e agora chegou a hora do estágio e tenho certeza de que ele deixará transparecer esse menino de ouro que ele é.
Vem logo em seguida meu afilhado, meu afilhado-filho, sei que nós( a família toda) tem grande parte na educação que esse menino terá na vida. Vamos criando ele junto com a mãe, o que é difícil pra caramba. Está com 7 anos e fará 8 anos logo, nos conhecemos ele tinha 8 meses. Já caminhamos bem juntos. Temos muitas obrigações com ele, fazê-lo um homem de bem e dar as mesmas oportunidades que demos aos nossos filhos, aliado a isso dar carinho, amor, corrigi-lo quando precisa. Ele com certeza sabe do nosso amor por ele e acredito que ninguém duvida disso.
Depois vem um rapaz que ajudamos a sair das drogas. Uma louca empreitada que peguei para mim. Filho de nossa empregada, estava a ponto de ser morto enfiado no meio dos bandidos e das drogas. Fiz um contato e internei-o bem longe daqui. Parece que está bem, está ha 3 meses lá. Tenho notícias todo fim de semana, está difícil abandonar um vício que por 6 anos o consumiu. Estamos lutando para isso.
Nossos gastos agora são com esses três meninos, meu filho, meu afilhado e o filho da empregada. Tem que ter muito depreendimento ao dinheiro para pegar responsabilidades fora da nossa obrigação de pais para ajudar o outro.
Fico imaginando as pessoas que só falam e não fazem nada concreto. Quero ver colocar a mão na massa como eu e meu marido fazemos. Pegar na cabeça, ir pra briga.
É difícil? Muito, mas tem que ter raça, determinação mas acima de tudo, coragem e amor.
Temos filhos lindos porque lutamos, brigamos, choramos, rimos junto com eles. Lutamos por eles. Meus filhos sabem que tem pais que dariam a vida por eles e com eles. Nunca fomos pais preguiçosos ou pais que trabalham sem amor, fomos sim pessoas que amam seus trabalhos e o fazem bem feito, com amor. Eles só seguem o exemplo.
Desculpe-me, precisava escrever isso hoje. Estou angustiada desde o fim de semana e não sei porque. Na verdade, eu precisava ouvir isso da minha própria boca.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Amigos,
Comentem se tiverem vontade, eu responderei dentro do possível