Os que me seguem

quinta-feira, 25 de março de 2010

Moro em Lumiar

Estou em Lumiar

Tomei uma decisão muito difícil na minha vida. Fui morar há 150 km da minha família.

Quando falo de minha família falo de meu marido e meus filhos. Que decisão fácil de tomar, mas muito mais difícil de manter.

Precisava fazer isso já que não estava feliz onde estava. Faltava-me alguma coisa, uma vontade maior, aquela vontade de ser feliz e de estar fazendo feliz quem você ama. Para mim só restava a morte já que meus filhos já tinham entrado no mercado de trabalho, estavam todos ativos e trabalhando no que gostavam. Formei uma engenheira e duas arquitetas, todas em universidade pública e meu garoto, agora com 19 anos, fez a opção dele e estava feliz, ia ingressar em estatística também na universidade pública. Tanto meus filhos como meu marido saíam de casa ás 600 h e só retornavam ás 22:00 h. E eu ali a espera deles. Que vida vazia. Que vida sem perspectiva. Que vida chata! Viver em função do outro, muito chata mesmo.

E eu já tinha cansado dessa vida de dona de casa, mãe e professora. Isso foi o que eu sempre fui...mãe, dona de casa e professora.

No final de minha carreira no magistério surgiu em minha vida uma paixão, um menino de apenas 8 meses precisando de um amparo, tanto ele quanto a mãe. Fiz o que pude, hoje ele já está com 5 anos, operou o coração, era muito doentinho e nós lutamos juntos, eu a mãe dele, meu marido, meus filhos e o próprio para conseguir ter hoje o que tem: uma vida saudável.

Portanto, estava tudo encaminhado, meus filhos bem, meu marido com a vida monetária estabilizada, a qual, foi um dos grandes problemas em nossa vida, mas quem não os tem?

E eu lá, sem perspectiva? Já tinha trabalhado 30 anos em sala de aula de uma matéria que não dominava completamente e sempre foi um problema fazer acontecer sem que os outros percebessem que eu não dominava tanto assim. Isso é outra história que conto depois.

Fui morar em Lumiar contra tudo e contra todos.

Sinto uma falta imensa dos meus filhos, do carinho e me sentir amada plenamente. Não existe carinho maior do que mãe com sues filhos mas sei também que já os estava sufocando. Sei exatamente quando devo dar um passo atrás e esse foi o momento.

Momento meu com meus filhos, momento meu com meu afilhado e com meu marido.

Só sinto estar tão longe do meu amor mais sei também que quando nos encontramos depois de uma semana difícil para ele e uma semana MARAVILHOSA para mim eu sei compreendê-lo, amá-lo como ninguém e ainda por cima sinto uma necessidade dele muito grande, e isso é bom depois de 32 anos de casamento.

Estou feliz e espero ardentemente que ninguém quebre esse encanto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Amigos,
Comentem se tiverem vontade, eu responderei dentro do possível